Estilo de vida Mudança

Como eu estou simplificando a minha vida 

A simplicidade não é fácil, mas é possível. E eu resolvi escrever sobre esse tópico depois que eu li o comentário de uma amiga sobre seus filhos brincando na varanda de casa. Ela dizia: “é tudo tão simples, a gente que complica”.

A menos de um ano, em meio a uma mudança de país e de carreira, eu decidi simplificar ainda mais a minha vida. Passei a me livrar de todo o lixo e me enfocar apenas nas minhas prioridades.

A simplicidade parece um longo caminho, mas eu acredito que estou na direção certa. E se você também tem interesse em seguir na mesma trajetória, vale a pena revisar quais foram os meus seis passos iniciais:

1. Desenvolvi uma filosofia de vida

Antes de fazer qualquer mudança, eu precisei entender por que eu estava mudando. Eu precisava de um propósito e de um sistema de prioridades claras. Então, eu tratei de estabelecer uma filosofia de vida e de reconhecer como eu estava usando o meu tempo.

Todos temos diferentes filosofias de vida. Algumas pessoas dedicam mais tempo para seus cônjuges e filhos. Outras preferem dedicar-se aos amigos ou ao trabalho. Mas, saiba que isso não quer dizer que temos valores melhores ou piores do que ninguém.

Pessoalmente, o meu objetivo na vida é inspirar outros millenials (ou pessoas de qualquer geração) por meio das minhas escolhas. Essa é a essência da minha filosofia de vida. Claro que eu também valorizo o tempo com a família, amigos e o trabalho, mas diante uma escolha, eu opto por aquilo que me aproxima da minha filosofia de vida.

2. Priorizei tarefas e eliminei o resto

Eu tenho que realizar inúmeras tarefas, mesmo que algumas delas simplesmente não se encaixem na minha filosofia de vida. Pagar impostos, esperar na fila do banco ou ir ao supermercado. Estas são coisas necessárias que eu não posso evitar.

Por outro lado, eu tenho uma lista de coisas desejáveis, que contempla as tarefas que eu gosto de fazer. Isso inclui escrever aqui no blog, jantar com um amigo e ler por horas seguidas durante um final de semana qualquer.

Busco primeiro finalizar as tarefas necessárias para dedicar mais tempo àquelas desejáveis. Afinal, é difícil estar integralmente presente comigo mesma se eu estou preocupada em pagar as contas.

Todo o resto é lixo! As demais tarefas são um desperdício do meu tempo.

3. Reduzi a bagunça física e mental

A desordem é mais do que desleixo. É supérfluo. É excesso. Com coisas desnecessárias acumulando em nossas casas, escritórios e mentes, a simplicidade se torna impossível.

Quando eu embarquei para a minha primeira viagem internacional no ano passado, eu sabia que permaneceria longe de casa por apenas três meses. E na minha mala eu levei apenas o necessário. Nunca gostei mesmo de perder tempo decidindo o que vestir a cada dia, e o fato de estar longe do meu guarda-roupas tornou essa decisão ainda mais fácil.

Mas eu não estou falando apenas da leveza que eu senti em abandonar a bagunça física. Também estou falando da minha decisão de eliminar todo tipo de distrações mentais.

Passar menos tempo na frente do computador ou deixar o telefone celular de lado por algumas horas me ajudou a fazer o que eu chamo de “desintoxicação digital”. Isso se torna cada vez mais importante, especialmente para as pessoas que começam e terminam os seus dias olhando para uma tela. Ás vezes, é simplesmente necessário desconectar para que possamos nos reconectar com outras pessoas e com nós mesmos.

Você pode desfrutar da mesma desintoxicação digital, ou sair com amigos. O ponto de fazer isso é comprometer-se a desligar tudo e aproveitar a vida que está acontecendo agora em torno de você ,e não através da linha do tempo no Facebook ou do filtro no Instagram.

4. Reduzi o consumo de informação 

Informação já não é domínio exclusivo dos mais ricos, educados e privilegiados. A internet democratizou o acesso à informação de tal forma que qualquer pessoa conectada pode se informar e aprender sobre quase tudo.

No entanto, fica fácil esquecer que é preciso tempo para consumir informação. Esse mesmo tempo, talvez, poderia ser melhor utilizado de outra maneira. E, se você se perguntar agora “de que maneira?”, apenas pense sobre que tipo de informação pode te apoiar em desenvolver a sua filosofia de vida.

O que pode te ajudar a ser um melhor membro da sua família, um amigo mais confiável ou um profissional mais respeitado? Se nenhuma informação disponível pode fazer isso, desligue o seu computador ou telefone celular agora e faça algo útil.

Eu fiz isso e ao me concentrar no que me interessa, a minha mente não permanece ocupada por mais uma tragédia, assim eu tenho mais tempo para as minhas prioridades.

Eu admito que não sou a pessoa mais bem informada, mas eu realmente confio que os meus amigos ou a minha família irão me avisar caso o apocalipse esteja se aproximando.

E o seguinte passo para simplificar a minha vida foi bastante prático. Concorda, vai?!

5. Mantive poucas e boas amizades

Amigos inapropriados atrapalham a nossa vida tanto quanto um armário bagunçado.

Eu já mencionei sobre isso em outro artigo, mas vale reforçar: a maioria das amizades são formadas através da conveniência. Vamos juntos para a mesma escola, trabalhamos no mesmo lugar, etc. Isso é ótimo, mas até que ponto vale a pena dedicar esforços em cada uma dessas relações?

Sempre faço questionamentos como esse sobre os meus amigos: “Eu realmente me sinto bem no tempo que passo com eles?” Isso não é ser egoísta. Porque as melhores amizades devem ser aquelas que promovem relações ganha-ganha, e é por isso que eu mantenho apenas poucas e boas amizades.

Manter uma vida simples não é fácil. 

Simplicidade exige disciplina constante. Eu aprendi  a dizer não muitas vezes, para muitas coisas e pessoas, e em muitas circunstâncias. É bem fácil ferir alguém ao optar pela simplicidade. Mas a vida é minha, portanto é minha responsabilidade conduzi-la.

Deixe um comentário