Estilo de vida Mudança

Como eu criei um roupeiro minimalista

Eu nunca possuí muitas roupas. Não porque eu não gosto de me vestir bem. Pelo contrário: eu queria me vestir bem, mas achava que para isso eu teria que gastar até o último centavo de cada um dos meus curtos salários. E isso não era o que eu devia fazer. Antes disso, eu devia comprar comida, pagar a faculdade e guardar dinheiro para viajar.

E no meio de tantas prioridades, eu acabei desistindo da minha imagem. Eu já não me importava se eu tivesse que usar a mesma jaqueta roxa, três vezes na semana, na época do meu primeiro trabalho formal. Você deve estar pensando que eu apenas era uma pobre, com falta de estilo e bom gosto. Talvez você esteja certo. Mas eu culpo apenas a minha falta de conhecimento sobre como começar a me vestir bem com menos.

E isso tudo se agravou quando eu finalmente fiz a mala para o meu primeiro intercâmbio na Itália. Tudo o que eu possuía então cabia em uma mala. Mas, isso não quer dizer que aquelas eram peças versáteis e intercambiáveis. Eu as usava mesmo assim. Para piorar, eu saí da Itália no inverno e cheguei no pico do verão no Sul da Índia. E naquele momento, eu não tinha outra escolha que não fosse me reinventar.

Agora, você pode estar pensando que eu comecei a criar o “guarda-roupa perfeito”. Bem, não foi exatamente o que aconteceu.

Mais uma vez, eu estava com dinheiro contado no bolso (para não contar a longa história, de que eu fiquei sem salário durante outros cincos meses). E para sorte minha eu pude encontrar peças de vestuário extremamente baratas na Índia, e ainda fiquei parecendo uma turista, que valoriza o estilo de vestimenta local.

Para encurtar toda essa história, depois de deixar o meu último trabalho formal no Brasil, me casar e mudar para um novo continente, foi o momento em que eu pude “vestir quem eu realmente sou”. Esse é apenas o início de um longo processo de aprendizado. Mas, agora eu finalmente sinto que fiz as pazes com o meu guarda-roupa e que estamos convivendo melhor do que nunca antes.

A solução foi essa: criar um guarda-roupa minimalista. Veja como eu fiz isso e como você também pode fazer.

Passo 1: Eu me questionei: “Com que frequência eu quero lavar roupas?”

Quanto menor a quantidade de roupas no seu roupeiro, mais você usará o que tem e, claro, mais frequentemente precisará lavar. Para mim, a chave para planejar um guarda-roupa minimalista não foi a quantidade de peças que eu desejava ter, mas a frequência com que eu gostaria de lavar a minha roupa.

Tenha em mente que nem todos os itens precisam ser lavados toda vez que são usados. Muitas pessoas usam seus jeans várias vezes antes de lavá-los, por exemplo. E,, às vezes uma lavada a vapor é tudo que uma roupa precisa. Mas certos itens, como camisas, naturalmente, poderiam ser lavados com mais frequência.

Hoje, eu possuo a quantidade de roupas ideal para uma semana, o que significa que eu devo lavar roupa uma vez por semana. Se essa frequência é demais para você, ajuste as recomendações dos passos a seguir para atender às suas necessidades.

Passo 2: Eu decidi quantas peças é preciso

O meu roupeiro inclui 20 peças, sem contar meias e roupa íntima. Aqui está a lista:

  • Três casacos (um blazer e dois casuais)
  • Oito tops (blusas de manga curta e manga larga, e camisas)
  • Duas calças (uma negra formal e um par de jeans escuros)
  • Dois vestidos (um de cor creme e outro negro)
  • Um par de botas
  • Um par de tênis
  • Um sapato de salto
  • Dois pares de sandálias para o verão
  • Oito pares de meias e roupas íntimas

O meu roupeiro inclui apenas itens básicos que eu posso repetir frequentemente, como jeans e tênis. Também inclui blusas suficientes para alternar durante a semana, ou para combinar com outras peças conforme necessário. Mas, se você quer ter ainda menos do que isso, alguns acessórios, como lenços e colares podem ajudar na variedade do visual.

O importante é que as roupas combinem com seu estilo de vida. Se você nunca usa um blazer, provavelmente não precisa de um em seu roupeiro (eu apenas tenho um porque participo eventualmente de uma reunião mais formal acompanhando o meu marido).

Os códigos de vestuário corporativos estão se tornando cada vez mais despojados, mas se você deve ir ao trabalho de terno, vestido formal ou uniformizado, então adeque o seu roupeiro para isso. Se você precisa usar um blazer para trabalhar todos os dias, apenas um pode não ser o suficiente. Ou, você pode trabalhar de pijamas, como eu faço às vezes.

Passo 3: Eu escolhi os itens certos

Eu vou repetir isso, porque é o ponto mais importante deste artigo: você deve adequar o seu roupeiro para atender as suas necessidades. Tendo isto em mente, busque por peças que sejam tão versáteis quanto possível, uma vez que você precisará fazer várias combinações. Você pode gostar de jeans rasgados ou tênis coloridos, mas jeans escuros e tênis clássicos representam melhores opções para um roupeiro minimalista.

As cores sólidas e neutras, como preto, branco, cinza, marinho e cáqui são facilmente intercambiáveis ​​e será mais fácil combiná-las entre si. Basta pensar que as peças com estampas ou logotipos certamente chamam mais atenção e você não vai querer repetí-las várias vezes na semana.

Importante: você deve escolher itens de qualidade. Você vai vestir e lavar as mesmas peças mais vezes do que se tivesse um roupeiro cheio de opções. Isso pode reduzir muito a vida útil das suas roupas. Então, realmente vale a pena pagar mais por roupas de melhor qualidade se você estiver indo na rota minimalista.

Muitas vezes você tem que pagar caro por roupas melhores, mas também não precisará comprar com tanta frequência (e contribuirá menos com as milhões de toneladas de roupas que fluem em aterros a cada ano).

Passo 4: Eu me livrei de todo o resto

Depois de saber quais itens do seu armário você vai manter, livre-se do resto. Foi o que eu fiz. Eu joguei tudo sobre a minha cama e separei por categorias: “doação”, “venda” e “o que fica”, o método recomendado pela guru em arrumação Marie Kondo.

Mas, antes de levar tudo ao centro de doação mais próximo, eu pesquisei o destino que aquela organização daria para as minhas roupas usadas. O melhor de tudo isso foi descobrir que todas aquelas peças inúteis para mim agora estão sendo bem utilizadas.

Por outro lado, eu também separei algumas peças, em ótimo estado e pouquíssimo uso, para venda. Bastou tirar algumas fotos e postar no Facebook um evento para a minha venda de garagem, e assim eu ainda fiz alguns trocados.

Passo 5: Eu me visto e me sinto melhor

Pode tomar tempo e esforço para descobrir o guarda-roupa minimalista que funciona para você, mas uma vez que você faz, isso vai te livrar da confusão e simplificar a sua tomada de decisão sobre o que vestir todos os dias. As compras ficam mais simples também, uma vez que você tem bons critérios para o que será parte de seu roupeiro.

Outro ponto bastante válido, um roupeiro minimalista faz com que as pessoas se sintam mais confiantes sobre as suas roupas. O que eu quero dizer com isso é que você poderia literalmente selecionar pedaços ao acaso, como um blazer, uma camisa, calças e sapatos, e essas peças te dariam um ótimo visual e uma dose de autoconfiança.

Saiba, no entanto, que um roupeiro minimalista não serve para todos. Com o mesmo, você terá poucas alternativas de vestimenta. As pessoas que gostam de seguir tendências de moda podem ficar entediadas com isso. Mas, para muitas pessoas, assim como eu, a ideia de vestir-se bem, com poucas peças, é extremamente atraente. Decida por você.

Deixe um comentário