Sentimentos Trabalho

Antes de seguir a sua paixão, leia isso

Acaba de se passar um ano desde o dia em que eu pedi demissão do cargo de supervisora de marketing em uma empresa de Joinville, a cidade que me acolheu por quase uma década em Santa Catarina. Naquele momento, eu estava decidida a me casar e sair do país, levando comigo a paixão pela melhoria e a vontade de começar um negócio digital.

Eu tinha uma certa experiência com o mercado digital e eu acreditei que poderia desenvolver as capacidades para tirar do papel um plano de negócios nesta indústria.

A ideia de trabalhar em algo que oferecia flexibilidade de horários e liberdade de uma localização não só me atraia como era necessária naquele momento. Mas, mais do que isso, o que me atraia era a promessa da liberdade em trabalhar sozinha e não precisar de altos investimentos iniciais.

E mesmo que eu esperava fazer dinheiro em algum momento com este negócio, eu sabia que não passaria fome se eu não fizesse, já que o meu esposo mantinha um emprego estável e poderia pagar as contas, pelo menos, no começo. Mas, claro, eu queria contribuir.

Tudo isso me ajudou a criar coragem para tentar algo novo e me dedicar a começar de alguma forma. Então, eu criei um blog. Eu passei horas, dias e semanas pesquisando apenas para definir um assunto sobre o que eu escreveria.

Como eu nunca antes tive um blog pessoal, eu me dediquei para definir e personalizar o layout da página que eu estava criando no WordPress.

Muitas horas depois, e eu ainda estava planejando e tentando descobrir de que forma isso poderia trazer resultados financeiros.  E, se tudo desse certo, parecia isso apenas aconteceria pouco antes da festa de 15 anos da filha que ainda estava no meu ventre.

Então, eu comecei a escrever para aquele blog. Eu escrevia sobre tantas coisas, desde as minhas experiências e aprendizados durante as minhas viagens de intercâmbio, até sobre o fato de abandonar a carreira para me dedicar à maternidade.

E enquanto eu escrevia e publicava os meus artigos, as pessoas começavam a me questionar sobre a minha decisão. Aparentemente, todas elas tinham em comum o desejo de abandonar os seus empregos e encontrar um meio de vida fácil na internet.

Acontece que é muito mais fácil pedir demissão do que lidar com a crise financeira, psicológica e emocional logo depois da saída de um emprego estável.

Por mais que temos exemplos brilhantes de empreendedores que deram muito certo longe do mercado de trabalho (veja o caso de Flávio Augusto da Silva, o cara por trás da página Geração de Valor), eu sinto dizer que a grande maioria nunca vai “se dar bem” fazendo o mesmo, a não ser que estejam dispostos a trabalhar duro e persistir.

Então, antes de pedir demissão para “seguir a sua paixão”, tome um tempo para refletir sobre estas cinco questões:

1. Por que você quer sair do seu emprego e dar um novo rumo à sua carreira?

Todo mundo quer ter flexibilidade e trabalhar com algo que goste, mas isso não significa que você terá menos problemas ou trabalhará menos do que antes no momento em que abandonar o seu chefe autoritário.

Eu também não te aconselharia a pedir demissão só porque você acha que seria mais feliz fazendo outra coisa.

Ao contrário do que muita gente pensa, eu não odiava o meu trabalho. É claro que você pode pensar que eu estou dizendo isso agora porque eu já não estou mais lá. Mas, eu pedi demissão porque eu sabia que o momento de arriscar era aquele, eu era muito jovem e poderia voltar se eu me arrependesse em algum momento.

A razão pela qual devemos tomar uma decisão como esta precisa estar totalmente relacionada à nossa vontade de fazer algo diferente e não a fatores externos como um chefe mala ou o excesso de trabalho. Talvez, tudo o que você precisa é de mais tempo fazendo as coisas que ama, o que não indica que você deva abandonar o seu trabalho atual.

2. Você consegue seguir a sua paixão antes mesmo de pedir demissão?

Não é preciso tomar uma decisão radical para começar a fazer algo que a gente goste. Se você já tem uma ideia do que é esse “algo”, por que não começar agora?

Eu tenho uma amiga  que tinha um cargo alto em uma grande corporação, mas sempre quis ter a sua própria empresa de coaching. Durante 2 anos ela se dedicou a isso, paralelamente ao trabalho e, recentemente pediu demissão para publicar o seu próprio livro (que ela já escrevia enquanto trabalhava).  Mas só agora ela é capaz de dedicar-se integralmente ao seu empreendimento, que por sinal tem tudo para decolar.

O mesmo vale se você quer vender brigadeiros, tornar-se um DJ ou ganhar dinheiro com um blog de viagens. Sempre existe um primeiro passo que deve ser dado enquanto você ainda tem estabilidade financeira e testa a sua paixão.

3. Você tem as habilidades e um plano para fazer da sua paixão um negócio?

Eu sempre amei escrever e sempre quis ter um blog para escrever sobre coisas da vida.

Mas, eu nunca havia escrito um plano e nem analisado as habilidades necessárias para criar um blog que seja rentável. E sempre que eu via blogueiros bem sucedidos, eu me sentia uma fracassada por não ter a iniciativa de dar o primeiro passo.

Mesmo depois de criar o meu próprio blog e perceber que eu estava a um longo caminho de me tornar bem sucedida como blogueira, eu passei a escrever para outros blogs, e cheguei a escrever um artigo para o Trello. Foi quando eu descobri que não tinha só vontade, mas também potencial para escrever.

4. Você tem como bancar essa decisão?

Quando eu digo bancar, não estou falando apenas de dinheiro. É preciso muito mais do que isso, o que pode envolver sacrifícios em todas as áreas da sua vida. Quando sabemos quais são os sacrifícios que estamos dispostos a enfrentar para “seguir a nossa paixão”, é mais fácil criar a coragem para seguir em frente.

E, quando se trata de dinheiro, mais do que nunca, hoje existem infinitas formas de juntar recursos financeiros para empreender, seja economizando em uma conta destinada a isso, tomando empréstimos ou fazendo trabalho extra. Nada disso parece conveniente para você? Então, faço o favor a si mesmo de refletir sobre o parágrafo anterior.

5. De quem você vai buscar apoio?

Por mais que eu tenha recebido críticas negativas e tenha ouvido boatos sobre as pessoas que diziam que eu estava ficando maluca, eu tive a sorte de ter o apoio de gente que eu admiro quando tomei a minha decisão de sair do meu último trabalho. Eu sempre me considerei muito responsável e quem realmente me conhece sabe que eu não faria nada sem antes ter avaliado os riscos.

Infelizmente, nem todo mundo tem a mesma sorte que eu. A sua família, ou o seu namorado(a), muito menos os seus amigos talvez prefiram que você desista da sua paixão. E tudo bem, porque todos eles têm boas intenções. Dê ouvidos a eles, enquanto você busca o apoio de outras pessoas que podem te ajudar em seus propósitos.

Fazer algo que você nunca fez antes, perder sua estabilidade financeira, ficar longe das pessoas que você ama ou mudar o seu estilo de vida causam muito estresse. Se você não tiver o suporte de absolutamente ninguém, tudo isso pode ficar insuportável, por mais que você esteja viajando pelo mundo e se divertindo durante o percurso.

Mas antes que você vá, vale uma última reflexão:

Mesmo que você tenha uma boa responda para todas as questões acima, o resultado da sua decisão ainda será totalmente imprevisível. Nenhum plano vai prever todas as dificuldades que podem aparecer no seu caminho, mas é um pouco mais fácil lidar com elas quando pensamos nisso tudo antes de colocar a mochila nas costas ou, simplesmente, “seguir a sua paixão”.

3 comments

Deixe um comentário