Maternidade Sentimentos

Como criar filhos com saúde emocional

Recentemente, eu sai para dar um passeio pelo parque com a minha filha. Era uma tarde ensolarada, o que nem sempre é comum em Lima. O parque estava cheio de crianças, de todas as idades, correndo para todos os lados e realmente desfrutando da própria liberdade. Eu tirei a minha filha de seu carrinho de bebê e começamos a brincar. Até que eu notei algo que me deixou intrigada.

Um pai estava acompanhando seu filho que, aparentemente, não tinha mais do que cinco anos de idade. Enquanto o pai permanecia olhando para o seu celular, a criança tentava chamar a sua atenção. Ela o cutucava, corria freneticamente ao seu redor, até que decidiu tentar subir em uma das árvores do parque.

Naquele momento, o pai já estava tão irritado com o comportamento de filho, que o arrancou à força, apertando as suas mãos, enquanto chamava a criança de estúpida e outros xingamentos do gênero.

Eu fiquei envergonhada pela falta de inteligência emocional desse pai e simplesmente me afastei, levando a minha filha para brincar em outra parte do mesmo parque. Então, nos sentamos outra vez e eu comecei a observar. Outro pai estava acompanhando seu filho. Mas, em vez de estar preso em seu celular, ele estava presente. Os dois passaram um bom tempo divertindo-se juntos, fazendo piruetas e jogando com uma bola.

De repente, enquanto a criança estava tentando chutar a bola na direção de seu pai, o garoto caiu abruptamente no chão. O menino começou a chorar, aparentemente expressando dor e sentindo-se impotente. O pai rapidamente foi até o filho, pegou a criança em seus braços e disse para ele, em voz carinhosa: “não se preocupe, meu filho, você é forte”. Em poucos segundos, a criança parou de chorar e, junto ao seu pai, retomaram a chutar a bola.

Como você provavelmente pode entender, essa criança e a outra mencionada no começo do texto recebem uma educação completamente diferente. Um é criado em um ambiente emocionalmente saudável, envolvido em amor, carinho e encorajamento; enquanto o outro em um ambiente emocionalmente tóxico, recheado de ódio, desrespeito e críticas.

As palavras dos pais afetam os seus filhos

A psicologia descobriu há muito tempo que as palavras que os pais usam enquanto falam com seus filhos podem influenciar tremendamente no desenvolvimento psicológico das crianças, bem como em seu comportamento e hábitos, ou seja, em seu futuro.

“Mas, por que isso é verdade?”, você pode se perguntar. Bem, em primeiro lugar, as crianças desejam ser amadas e queridas por seus pais – elas desejam isso mais do que qualquer outra coisa. A forma como os pais falam com os filhos significa tudo para elas. Por isso que, quando os pais expressam verbalmente que não gostam dos filhos como eles de fato são, por exemplo, as crianças sentem vergonha e ódio delas mesmas.

Quando os pais, no entanto, conversam com carinho e mostram respeito por seus filhos, os pequenos se sentem bem a respeito deles mesmos, além de sentirem orgulho por quem de fato são. Além disso, os pais são vistos como modelos por seus filhos. Para eles, tudo o que os seus pais dizem é certo.

As crianças realmente acreditam no que os pais falam e pensam; aceitam isso como verdade absoluta, sem questionamentos, e é justamente essa verdade que molda a sua visão do mundo, incluindo a visão que eles têm deles mesmos.

Portanto, se, por exemplo, um pai chamar seu filho de idiota, existe uma chance enorme da criança realmente acreditar que é idiota e, mais para frente, começar a agir como tal.

Entretanto, se o pai diz ao seu filho que ele é forte, como no caso do pai que estava jogando futebol com o seu filho, existem grandes chances do menino acreditar que é forte e começar a se comportar como uma pessoa forte.

Mas não são somente as palavras dos pais que moldam a mente das crianças. Ainda mais importante do que as palavras, o comportamento geral e as atitudes dos pais se fazem presentes. Mais do que qualquer outra coisa, as crianças aprendem com o exemplo.

Inclusive, por exemplo: se os pais de uma criança são preocupados, com medo e estressados, a criança pode se tornar um adulto inseguro, ansioso e neurótico. Ou, um exemplo contrário: se os pais de uma criança são confiantes, aguentam firmes os períodos difíceis e são positivos, é provável que seu filho cresça e desenvolva uma personalidade otimista, corajosa e sem medo de enfrentar os desafios que a vida colocar em seu caminho.

Isso significa que, na maioria dos casos, a melhor maneira para os pais ensinarem qualquer coisa aos seus filhos é incorporando o que eles estão tentando ensinar. Muitas vezes, os pais dão às crianças conselhos que eles próprios não aplicam em suas vidas. “Não fume, faz mal à saúde”, muitas vezes ouvimos essa frase dos pais, enquanto seguram um cigarro aceso em suas mãos. Ou, talvez, “pare de brigar com seus irmãos”, enquanto eles usam a punição física como castigo pelo comportamento inadequado dos filhos. Quer ensinar que não se deve bater, batendo?

O resultado? As crianças recebem mensagens conflitantes em relação às ações e às palavras proferidas  – e as ações sempre falam mais alto que as palavras. E então, as crianças chegam às suas próprias conclusões a partir do que já foi mostrado a elas.

Uma criança é como uma esponja, que absorve inconscientemente tudo aquilo que está a sua volta, nos ambientes em que vive. E essa metáfora continuara sendo usada sempre porque os pais fazem parte do principal ambiente dos seus filhos, sua própria condição psicológica é o que a condição psicológica de seus filhos irá absorver.

Se os pais não são emocionalmente saudáveis, eles falham na missão de criar filhos emocionalmente saudáveis – os problemas emocionais que eles sofrem serão inevitavelmente transferidos para os filhos.

Portanto, somente quando os pais souberem lidar com as suas próprias dificuldades emocionais e superar seus próprios problemas psicológicos, conseguirão criar um ambiente positivo para o desenvolvimento infantil – isto é, um ambiente que faz com que as crianças sintam carinho, segurança, amor e apoio pela forma que são em sua essência; dessa forma, elas podem desenvolver a melhor versão de si mesmos.

3 comments

  1. Ótima reflexão Thaís. Pequenos detalhes neste caso fazem toda diferença na construção da personalidade e do caráter. As vezes me pego pensando em quantas vezes cometo erros sem intenção e como eles seriam absorvidos na vida de um filho. É o desafio de ser melhor para ajudar a construir seres humanos melhores. 🙏

Deixe um comentário