Aprendizado Trabalho

6 coisas que você deveria saber antes de ingressar no mercado de trabalho

Durante a faculdade, eu tive a sorte de ingressar formalmente no mercado de trabalho. Bem, não foi exatamente sorte. Eu fui uma aluna dedicada e colaborativa nas salas de aula, o que chamou a atenção de um dos meus professores, que na época era sócio da agência de marketing que acabou me contratando.

Inicialmente, eu me senti tão animada com a primeira oportunidade de trabalho formal. Eu tinha a minha própria mesa, um computador pessoal, uma agenda e uma caneca com a logomarca da agência. Era um sonho.

Eu adorei os meus colegas de trabalho logo de início e me senti engajada nas campanhas para os clientes da agência. Todos os dias, eu sentia algo novo e excitante.

Até que um dia, eu senti como se tudo isso fosse o meu pior pesadelo. Talvez, fosse a adrenalina desgastada e o cenário da realidade. Talvez, fosse por isso que minha mãe sempre dizia que ela estava tão cansada depois do trabalho.

De qualquer forma, percebi rapidamente que a vida de trabalho das 8:00 às 18:00 não era exatamente como um sonho. Todas as advertências que ignorei sobre o “mundo real” foram mais verdadeiras do que eu poderia imaginar. E tudo isso me deixou desejando ter estado um pouco mais preparada antes de entrar no mercado de trabalho.

Por que ninguém nunca me disse isso antes?

Aqui estão 8 coisas que eu acho que você também gostaria de saber antes de entrar no mercado de trabalho (se é que você não o fez):

1. Você ficará exausto

Se você pensou que estava exausto na faculdade, você não tem ideia do que o espera. Eu não via a hora de chegar o final de semana quando era apenas terça-feira. Eu me sentia mais cansada do que nunca, e seguia me questionando: como os meus colegas com crianças conseguem fazer isso?

[RELACIONADO] Ei, todos nós temos as mesmas 24 horas

Prepare-se para aprender tudo o que puder sobre gerenciamento de tempo se você quiser manter uma vida pessoal além da sua vida profissional.

O que eu não sabia é que um estágio é 100% diferente do que ter um empregador. A pressão de ter um cheque de pagamento que eu poderia perder a qualquer momento, ou a vergonha que vem com a demissão, é um nível diferente de ansiedade e estresse por conta própria.

Além disso, a maioria dos estagiários não experimenta a montanha-russa de chamadas de última hora, e-mails e estresse que os colaboradores enfrentam no local de trabalho.

[RELACIONADO] E se todos fôssemos home officers

2. As manhãs devem contar

Se você me conhece, sabe que eu preciso de duas xícaras de café pela manhã, e então talvez você possa falar comigo. Mas, a problemática mais relevante passou a ser outra: quando você tem um empregador e trabalha 8:00 às 18:00, você entrega o seu dia a outra pessoa.

No momento em que você chega em casa no final do dia, você não terá mais energia alguma para fazer nada por você mesmo. Deixe-me ser clara: quer dizer que então você não fará nada por você mesmo, cinco dias por semana.

Aproveite as suas manhãs para fazer algo por você.

Por isso, faça algo que o ajude a se tornar uma pessoa melhor logo depois que você desperta, caso contrário você simplesmente não terá tempo para si mesmo.

3. Mantenha sua vida pessoal, pessoal

Eu sei que é tentador falar sobre a sua vida pessoal no trabalho, mas se você fizer isso, uma hora ou outra, você será rotulado como “emocional” ou “dramático” em todo o local de trabalho.

É melhor deixar a sua vida pessoal na porta da empresa, colocando o seu telefone no modo avião (se puder) enquanto trabalha. Em situações terríveis, fale diretamente com o seu chefe e negocie um período de tempo para recuperar-se.

[RELACIONADO] Maternidade ou carreira aos 20 e poucos?

Aprendi essa lição da maneira mais difícil. A fofoca do escritório é algo que cada pessoa enfrentará em algum momento de sua vida. Pode ser um comentário negativo, pode ser  sobre o negócio de outras pessoas, pode ser um testemunho de alguém com um dia ruim e depois dizer a outra pessoa que fique longe, pois eles estão tendo um dia difícil.

Tudo isso é fofoca de escritório. Tente entrar na mentalidade de que qualquer comentário negativo fora do seu trabalho (por exemplo, alguém não recebeu um documento que você precisava para fazer seu trabalho) é fofoca.

Aprendi da maneira mais difícil que simplesmente estar na sala como alguém contando histórias sobre outro empregado, também acabava me tornando uma fofoqueira. Clara, a exceção acontece quando alguém não tenha faz o próprio trabalho e acaba trabalhando a rotina da empresa. Caso contrário, evite qualquer fofoca, a qualquer custo.

4. Alimente sua alma (e sua barriga) durante o almoço

Se você trabalha em um ambiente acelerado, é fácil querer trabalhar na hora do almoço e tentar sair o mais rápido possível. Eu sei, mas resista a esse impulso.

A maioria das empresas coloca no seu contrato de trabalho que você deve ter uma hora de almoço. Em outras palavras, você não pode sair mais cedo aos olhos do RH se você pulou o seu almoço. Este também é geralmente o primeiro passo para se esgotar no final da sua jornada.

Como você é obrigado a fazer um almoço, faça.

Se você demorar apenas trinta minutos para comer, ótimo! Use o tempo restante para fazer uma meditação, ler um livro ou fazer uma caminhada rápida em torno do prédio.

5. Peça ajuda

Você não pode saber tudo. Deixe sua personalidade perfeccionista e abrace a ideia de que você não pode conhecer todas as coisas. Esta é uma das poucas vezes na sua carreira, onde é realmente bom não saber.

A maioria de nós millennials entra no mercado de trabalho com uma mentalidade bastante competitiva que surgiu no mundo acadêmico. Deixe isso, agora é a hora de aprender a ser um jogador de equipe.

É claro que a concorrência saudável é necessária para se destacar na sua carreira, mas não às custas dos outros. Além disso, se você não aprender a trabalhar bem com os outros e pedir ajuda, sua paranóia e ansiedade provavelmente dispararão no telhado e você acabará auto sabotando seu sucesso e se sentindo isolado no seu trabalho.

Em uma tangente ligeiramente relacionada: faça perguntas também!

Se você não consegue pensar em uma pergunta, então tome nota. Não ter sobre o que questionar pode ser um sinal de que você não estará interessado neste tipo de trabalho por muito tempo.

Eu costumo ter um milhão de perguntas quando estou interessada em algo. Mesmo que eu compreenda 100% a informação que acabou de ser apresentada, penso em formas de elevá-la ao próximo nível e busco entender como todas as coisas funcionam a respeito de qualquer coisa.

6. Tudo valerá a pena

Você pode estar pensando que odeia o seu chefe, por exemplo, e que não vale a pena passar tempo convivendo com alguém assim. Mas, saiba que até os líderes erram.

Então, da próxima vez que você quer estabelecer um duelo com o seu chefe, lembre-se de que há algo para aprender com ele. Se ele quer que você fique até mais tarde para classificar seus recibos da semana sem pagar hora extra, aceite. Mas, tenha em mente que isso é algo que você nunca vai fazer com alguém quando estiver na posição dele.

Independentemente se a sua experiência com um empregador seja boa ou ruim, ela valerá a pena. Claro, só se você fizer isso valer a pena. Toda oportunidade ou experiência a que somos apresentados na vida é uma oportunidade de aprender e de crescer.

Os trabalhos que foram os mais dolorosos para mim, seja emocionalmente ou fisicamente, me ensinaram algo sobre mim, sobre o mundo e sobre os outros. Eles me moldaram e forneceram informações inestimáveis ​​sobre o meu futuro.

O mercado de trabalho me ajudou a definir quem sou.

Se você esteve lendo este blog por um tempo, você sabe que minha carreira não foi nada linear. Na verdade, ela tem passado por altos e baixos inúmeras vezes. No entanto, hoje, eu não conseguiria trabalhar em tempo integral no que eu amo se não fosse pelas experiências que eu tive graças ao mercado de trabalho.

One comment

Deixe um comentário