Mais contribuição

3 razões um tanto óbvias para limitar as distrações digitais da sua vida

Quantas vezes você foi distraído em seu trabalho por receber um novo e-mail de oferta em sua loja favorita? Quantas vezes as suas tarefas foram interrompidas por um vídeo super interessante que acaba de ser lançado Youtube? Quantas vezes você tirou seu telefone do bolso no elevador para evitar falar com a pessoa que estava ao seu lado?

Eu fiz tudo isso, pelo menos algumas vezes, apenas na última semana. Em vez de me engajar integralmente a uma tarefa ou me arriscar a falar com um estranho, eu escolho fazer o que a maioria faz.

Por que?

Ora, porque é confortável para mim.

Mas fazer algo que é fácil, confortável, mesmo habitual, é apenas metade do problema. A outra razão pela qual eu faço essas coisas é porque eu estou constantemente sendo bombardeada por distrações, todas as quais são acessíveis a mim com apenas um “click”.

Quer amigos? Verifique o Facebook.

Quer comer? Peça um delivery.

Fotos de comida e pôr do sol? Instagram.

Quer amor, sexo ou algo intermediário? Tinder.

Eu posso acessar qualquer coisa, em qualquer lugar em segundos. E você também pode.

Hoje vivemos em um mundo em que a tecnologia está em praticamente tudo o que nos rodeia. A internet está amplamente disponível (pelo menos no mundo ocidental), e a maioria das pessoas agora tem a capacidade de estar online a qualquer momento.

Na Austrália, 68% dos adultos de 18 a 44 anos estão usando três ou mais dispositivos para acessar a internet.

Nos EUA, 72% dos adultos com 18 anos ou mais têm um smartphone e 45% possuem um tablet.

Uma pessoa adulta no Reino Unido usa serviços de mídia e comunicações por oito horas e 45 minutos por dia, o que equivale a mais do que o tempo que passam dormindo (oito horas e 18 minutos).

No Brasil, 57% da população usa um smartphone, enquanto superamos a marca de 100 milhões de usuários na internet.

Todos os dias, a humanidade cresce cada vez mais dependente da tecnologia para tomar decisões simples e chegar do ponto A ao ponto B. Enquanto isso, estamos começando a ver o impacto negativo dessa dependência em nossos baixos níveis de felicidade.

Como resultado, de acordo com uma pesquisa da Harris Poll, 45% dos adultos dos EUA tentam desconectar da internet pelo menos uma vez por semana.

A Ofcom informa que mais de 30% dos adultos do Reino Unido relataram que tentaram uma desintoxicação digital.

Na Austrália, o “turismo livre de tecnologia” está crescendo em popularidade, e as empresas que vendem pacotes de viagens de desintoxicação digital viram aumentos nas vendas nos últimos anos.

No Brasil, já existe o que foi chamado de Praia do Detox Digital, onde grupos de até 14 pessoas podem passar de três a quatro dias longe de todo tipo de conexão com a internet, praticando ioga e atividades na natureza, como passeios de barco e trilhas.

Vivemos em um mundo cheio de distrações e escolhas infinitas.

Ao limitar as distrações da sua vida e reduzir o número de decisões que você precisa fazer todos os dias, você pode começar a manter um nível de motivação maior para fazer na sua vida o que você realmente deseja.

3 razões pelas quais reduzir as distrações digitais pode transformar a sua vida:

1. Com menos distrações, é mais provável que você atinja os seus objetivos

Mais e mais pessoas sofrem de “fadiga de decisão”. Ao reduzir o número de escolhas que você precisa fazer em um determinado dia, você pode aumentar a probabilidade de alcançar os seus objetivos. Steve Jobs fez isso usando a mesma roupa todos os dias, o que Mark Zuckerberg também achou uma ótima alternativa e segue fazendo.

Outra maneira de reduzir a fadiga de decisões seria excluir as distrações, como algumas mídias sociais ou jogos do seu telefone celular.

De acordo com uma pesquisa da Universidade de Stanford, reduzir o número de decisões que você precisa tomar melhora consideravelmente a chance de atingir esse objetivo.

Quando as pessoas estão perto do fim de uma perseguição, elas perguntam: “Como eu poderia chegar mais rápido ao final?” Oferecer escolhas — ou mais distrações — prejudica a motivação delas nesta fase, porque isso torna a resposta mais difícil a essa pergunta.

Também existem evidências de que as pessoas que se consideram “multitarefas” são menos propensas a prestar atenção à tarefa em questão e mais prováveis ​​de serem distraídas por informações irrelevantes.

Não é preciso dizer mais nada sobre isso. Certo?

2. Menos distrações pode ser melhor para a sua saúde mental

Limitar distrações desnecessárias como algumas mídias sociais fará de você uma pessoa mais feliz. Isso não só lhe dará uma razão para sair e interagir com outras pessoas cara a cara, mas também pode fazer maravilhas para a sua autoestima.

Você provavelmente já ouviu falar milhões de vezes sobre FOMO (fear of missing out). Este é um fator importante que leva o vício das pessoas às mídias sociais.

A razão pela qual o FOMO é tão poderoso é porque ele aborda duas grandes motivações humanas identificadas por Abraham Maslow: autoestima e pertencimento. As pessoas querem sentir como se fossem parte de algo maior do que elas mesmas; querem sentir-se como se fossem um membro aceito pela comunidade, e como se fossem especiais.

[RELACIONADO] Querido millennial, você não é especial

Embora o júri ainda esteja fora dos efeitos a longo prazo do uso de mídias sociais em conexão com a saúde mental, alguns pesquisadores tiraram conclusões de que períodos prolongados de exposição à esse tipo de mídia podem levar à diminuição da autoestima ou até mesmo a sintomas de depressão.

As doenças mentais são o lado negro das distrações digitais.

Ainda faltam razões para limitar as distrações digitais na sua vida?

Vamos para mais uma delas:

3. Menos distrações o tornam mais criativo e produtivo

As pessoas que experimentam menos distrações digitais são muitas vezes melhor posicionadas para adotar práticas que provaram aumentar a criatividade e a capacidade de resolver problemas.

Como resultado, práticas como mindfulness (atenção plena) e a meditação consciente cresceram em popularidade nos últimos anos. Em um estudo de atenção e rigidez cognitiva, pesquisadores realizaram dois experimentos para medir a capacidade que participantes possuíam de pensar criativamente e resolver problemas de maneiras únicas. Nesse experimento, os participantes foram divididos em dois grupos. Um grupo recebeu treinamento de atenção plena, enquanto o outro não o fez.

O que você acha que aconteceu?

Aqueles que receberam o treinamento de atenção plena eram muito mais propensos a pensar “fora da caixa” e evitavam ser cegos por experiências anteriores. Eles aprenderam a viver no momento e foram capazes de encontrar soluções para seus problemas.

Encontrar uma fonte duradoura de motivação nunca é fácil, mas você pode melhorar suas chances de se motivar e permanecer assim com menos distrações.

Por exemplo, tente limitar-se a uma hora de tempo nas mídias sociais por dia. Além disso, considere criar um bloco de tempo a cada dia para praticar alguma forma de meditação.

A chave é trabalhar na redução do ruído, concentrando-se nas interações que agregam valor à sua vida.

Cada pouco conta e todos os dias que você é capaz de reduzir o ruído até mesmo 1% provavelmente aumentará sua produtividade, seu nível de motivação e sua capacidade de se concentrar em uma tarefa de forma exponencial.

One comment

Deixe um comentário