Mais simplicidade

6 maneiras de abandonar os seus hábitos de compras compulsivas

Quantas vezes você já comprou coisas que realmente não precisava ou não planejava ter comprado? Isso aconteceu comigo, mais vezes do que eu gostaria de reconhecer — foram diferentes versões de um cenário semelhante.

Uma compra compulsiva acontece quando você se torna temporariamente cego, atraído por uma oferta, ou quando você acha que aquele item é o que você merece agora. Mas, uma vez que essa excitação se desgasta, você se frustra.

É totalmente compreensível. Em algum momento, todos nós caímos na armadilha de fazer compras por razões puramente emocionais.

Com experiência e um sentido refinado do que funciona para elas, muitas pessoas finalmente aprenderam a evitar as armadilhas da compra compulsiva. E para aqueles que ainda têm dificuldade em lidar com isso, porque sua motivação para comprar é enraizada em problemas emocionais complexos, aqui estão algumas dicas:

1. Descubra por que você compra

“Eu tenho que comprar algo toda vez que eu vou para uma loja”; “eu faço compras online o tempo todo”; ou “tenho um problema em evitar compras”. Se essas declarações são familiares, você pode estar arriscando a sua saúde mental e a daqueles ao seu redor.

As compras compulsivas geralmente são uma tentativa de preencher um vazio emocional e há razões pelas quais as pessoas fazem isso.

Alguns tentam compensar as inseguranças e compram como forma de controlar a percepção dos outros sobre elas. Outros fazem isso como forma de expressar sua raiva ou para lidar com sentimentos de impotência. Outros, ainda, usam as compras como fuga, para emocionar ou na tentativa de lidar com o estresse, uma perda ou trauma.

Se você está preso e não consegue descobrir a razão pela qual você compra, não desista. Há uma série de livros de autoajuda sobre o tema e profissionais treinados que se especializam em ajudá-lo a classificar as suas emoções e os seus pensamentos para que você possa chegar à raiz do seu problema em comprar.

Depois de descobrir os motivos pelos quais você compra de forma compulsiva, comece a concentrar as suas energias em fazer algo sobre isso.

2. Repense o seu relacionamento com as compras

Muitos dos nossos hábitos de compras estão intimamente ligados às primeiras mensagens que recebemos sobre as compras em si e sobre os nossos traços de personalidade.

Se as ideias sobre ir ao shopping evoluíram dentro de um contexto de relacionamentos não saudável ​​e traços de personalidade problemáticos, corremos o risco de nos deixar levar pelo desejo de comprar.

Uma das razões pelas quais as pessoas minimizam ou ignoram o seu vício pelas compras é que esse (ao contrário do vício pelas drogas) se torna uma necessidade amplamente encorajada e que, muitas vezes, é considerada um símbolo de status.

[RELACIONADO] Em defesa da frugalidade — quando o luxo se torna mais uma droga

3. Pergunte-se “o que você está comprando?”

Se você achar que está comprando em razão de um sofrimento emocional, considere o que você é isso — por exemplo, validação, segurança, vingança — e comece a pensar mais sobre as partes de você que precisam de atenção.

Se você “precisa” visitar uma loja como um meio para validar a sua autoestima e ganhar a admiração de pessoas próximas, considere que esses símbolos de status são inadequados e nunca definirão completamente as suas complexidades.

Ou ainda, se você negligenciar o impacto de uma “liquidação imperdível” sobre os seus instintos de comprar, considere que uma emoção de curta duração não lhe dará a paz e a satisfação a longo prazo que você está procurando.

Acima de tudo, tenha em mente que as empresas não apenas vendem produtos, elas vendem um estilo de vida. Isso não é necessariamente uma coisa ruim, especialmente se o que está sendo oferecido é agradável e inspirador. No entanto, é importante estar ciente de sua reação emocional ao que está sendo vendido, de modo que você não gaste demais na tentativa de “comprar” aqueles intangíveis que você está procurando.

[RELACIONADO] Se você acha que está gastando demais, evite essas armadilhas diárias

4. Encontre outras formas de preencher o vazio

As compras podem ser divertidas e há uma infinidade de produtos por aí para tornar a sua vida mais fácil. Mas, você não pode comprar uma vida emocional saudável. Ao tentar fazer isso, você se sentirá mais miserável com cada compra.

Uma maneira de construir uma vida emocional saudável é substituindo o seu hábito de compras por outros mais significativos. É mais fácil dizer do que fazer, mas já foi feito antes e pode ser feito novamente por você.

Digamos que você faça compras como uma maneira de lidar com a sua baixa autoestima. Se for assim, tente encontrar outras formas de construí-la. Se você tem uma tendência em gastar com roupas, talvez você possa criar roupas virtuais pelas quais você não precisa pagar.

Agora, se você compra como uma maneira de lidar com algum tipo de conflito em seus relacionamentos, talvez você possa aprender maneiras diferentes de gerenciar o tal conflito (por exemplo, sendo mais assertivo).

Ainda, se você gastar demais pela simples busca de aventura, talvez você possa realizar mais atividades que te ajudem a produzir a mesma adrenalina.

Uma vez que você encontrar uma alternativa saudável, desafie-se a mantê-la.

[RELACIONADO] Este será o seu desafio ao tentar criar um lar não consumista

5. Mude as suas expectativas 

Você descobriu por que acabou comprando e até conseguiu encontrar melhores alternativas. Mas, você ainda não consegue vencer o desejo de comprar, especialmente quando você deveria fazer isso. Então, o que fazer?

Veja esse cenário:

Contemple a ideia de entrar em sua loja favorita apenas para visitar. Você pode ir muito bem no início, mas então você vê um item com 50% de desconto e de alguma forma a sua mente processa a gratificação instantânea de adquirí-lo, embora você tenha dito a si mesmo que não compraria nada. Como você se sente diante desse dilema?

Se você for capaz de pensar nas consequências de suas ações enquanto estiver na loja e alterar as suas expectativas, você pode evitar muita dor de cabeça.

Essa é a resposta:

6. Permita-se reconhecer o que você sente

Não há como negar que o desejo de fazer compras é uma distração ou uma maneira de lidar com uma disfunção emocional. Enquanto isso, você tem que lutar contra aquela angústia ou o que quer que você sinta quando tem o desejo de comprar.

Uma maneira segura de reprimir esses sentimentos nervosos é apenas sentindo-os.

Permita-se sentir o desconforto de não fazer compras e simplesmente não fazer nada sobre isso. Quanto melhor você for nisso, mais você perceberá que está tudo bem ignorar uma “promoção imperdível”.

De que outras formas você poderia lidar com compras compulsivas? Compartilhe nos comentários abaixo.

um comentário

Deixe um comentário