Mais aprendizado

9 coisas que eu me arrependo de não ter feito aos 20 e poucos

Eu costumava acreditar que viver com arrependimentos era uma coisa terrível. Apenas pensar na palavra “arrependimento” costumava deixar um gosto amargo na minha boca. No entanto, ainda que eu não consiga voltar no tempo, eu posso aprender com os meus erros.

Na medida que eu fui envelhecendo e me tornando mais sábia (embora eu esteja longe de ser uma pessoa sábia), desenvolvi um relacionamento diferente com os meus arrependimentos.

Quem diz que o arrependimento deve ser negativo? E se o arrependimento fosse uma compreensão e a aprendizagem do nosso passado, por amor a uma vida melhor hoje? E se ser claro sobre as coisas que você se arrepende de não ter feito pudesse ajudá-lo a ter certeza sobre o seu caminho pessoal para a felicidade?

Aos 26 anos de idade, eu estou dando passos com base no que eu aprendi.

Muito aconteceu nos últimos 5 anos, o meu casamento, o fato de que eu tive que reinventar a minha carreira, mudanças de país, a maternidade, novos interesses, novos amigos, etc. Minha rotina é irreconhecível em comparação com a forma como eu vivia há 5 anos.

Agora, enquanto reflito, percebo que há alguns arrependimentos que mantenho, particularmente sobre coisas que eu não fiz o suficiente nos meus 20 e poucos anos. Quando menciono essas coisas, não é que as ignorei. Eu simplesmente não me concentrei nelas com um nível total de compromisso.

Como Mark Twain disse:

“Vinte anos a partir de agora você ficará mais desapontado com as coisas que você não fez do que com as que você fez. Então jogue fora as amarras. Navegue para longe do porto seguro. Pegue os ventos de arrasto nas suas velas. Explore. Sonhe. Descubra.”

Aqui estão as coisas que me arrependo, em ordem de prioridade.

1) Conexão com a família

Neste momento da minha vida, estou vendo os meus pais começando a envelhecer. Eu já vi vários membros da minha família nos deixarem muito cedo. Com cada ano que passa, percebo o quão importante é construir memórias com as pessoas mais queridas para mim. É um desafio quando eu sei que essas pessoas vivem a milhares de milhas.

[RELACIONADO] É possível arrepender-se de viver fora

No passado, eu não pensava muito nisso. Eu pensava que haveria muito tempo para passar com a minha família quando a minha carreira fosse desacelerar. No entanto, é preciso apreciar mais as pessoas que amamos enquanto elas ainda estão aqui.

2) Formação de um círculo de amizades

Eu prefiro alguns amigos próximos, em vez de centenas de amigos com diferentes graus de proximidade. Esta sou eu. Agora, eu percebo que eu poderia ter construído muitas amizades mais duradouras com um pouco mais de esforço.

[RELACIONADO] Como ficam as amizades depois dos 20

Eu acho que alguns amigos, naturalmente, entram e saem das nossas vidas quando as situações mudam. Da mesma maneira, eu acredito que, com um pouco de esforço, um círculo de amigos pode ser fortalecido. Eu já vi amizades potencialmente incríveis deixarem o meu caminho pela minha falta de esforço e atenção. Não precisava ser assim.

3) Viver com mais simplicidade

Eu passei os primeiros 20 anos da minha vida vivendo como um monge, vestindo as mesmas roupas, comendo mais em casa, caminhando para poupar com transporte. Aquele estilo de vida simples me fazia feliz.

[RELACIONADO] Como eu estou simplificando a minha vida

Depois que eu me casei, passei a renovar o meu guarda-roupa com mais frequência, a sair para jantares até mesmo durante a semana, a pedir um táxi quando eu poderia caminhar. Nada disso produziu um impacto profundo em meus níveis de felicidade.

A simplicidade como um estilo de vida cria um senso de liberdade, que subjetivamente tem a capacidade de nos fazer mais felizes. Quando a vida não é sobrecarregada por coisas, você pode se conectar com o que realmente importa.

4) Construir hábitos mais saudáveis

Acordar mais cedo (como 5 da manhã cedo), consumir menos cafeína e álcool, escrever, meditar, comer bem, praticar atividade física regular. Há uma série de hábitos que me serviram bem nos meus 20 e poucos anos.

[RELACIONADO] Você está pronto para viver mais de 100 anos

No entanto, durante alguns meses seguidos (ou em alguns casos, anos), eu perdi o foco e adotei padrões de comportamento mais insalubres. Agora estou vendo como o fato de manter hábitos saudáveis ​​é a chave para a satisfação pessoal e a felicidade.

5) Sair da minha zona de conforto

Há muitas coisas que fiz nos meus 20 e poucos anos que me tiraram da minha zona de conforto: projetos de trabalho e apresentações que exigiram níveis insanos de responsabilidade e confiança; viajar para o estrangeiro sozinha; aceitar um pedido de casamento no segundo encontro; etc.

[RELACIONADO] Fora da sua zona de conforto pode ser um bom lugar.

Mas, em retrospectiva, percebo que eu tinha muito espaço para mais atividades que me expulsariam da minha zona de conforto. Eu poderia ter feito algumas coisas por ano que realmente poderiam expandir o meu potencial.

6) Investir mais em desenvolvimento pessoal

Workshops de definição de objetivos; cursos de leitura rápida; vídeos motivacionais de Tony Robbins; oficinas de yoga; cursos e programas on-line em deferentes áreas de desenvolvimento pessoal.

[RELACIONADO] Ei, todos nós temos as mesmas 24 horas

A quantidade de trabalho que fiz para me desenvolver é maior do que o que observo a maioria das pessoas fazendo. No entanto, gostaria que eu fosse mais intencional ao passar o tempo trabalhando nos treinamentos adequados com base no que eu precisava.

Eu também deveria ter investido ainda mais em programas de coaching. Descobri que o coaching direto produz os melhores resultados. Contratar um ótimo coach não é barato, mas a recompensa é imensa (de 5 a 7 vezes de retorno sobre o investimento inicial com base em vários estudos).

Em retrospectiva, eu teria investido mais para aprimorar habilidades em torno de escrita, influência, negociação, aprendizagem de uma língua estrangeira, treinamento de voz / fala e muito mais. Mais importante ainda, eu teria trabalhado com um treinador para identificar pontos cegos e movê-los.

7) Construção da minha marca pessoal

Passei toda a minha vida adulta trabalhando para diferentes empresas. Agora que não trabalho mais para uma corporação, percebo o quanto ignorei a construção de um marca pessoal que me apoiaria a longo prazo. Dentro de qualquer empresa, as pessoas sabiam quem eu era e chegavam a me reconhecer. Fora da empresa, as pessoas não têm ideia do que fiz.

[RELACIONADO] 4 habilidades necessárias para ajudá-lo a se tornar um líder 

Eu acho que isso se aplica a muitos trabalhadores corporativos. Eles podem fazer um trabalho excelente dentro de sua bolha, mas uma vez que saem (ou são demitidos), eles lutam para reconstruir a confiança com outros potenciais clientes e parceiros.

Gostaria de passar muito mais tempo construindo minha marca pessoal — como especialista em marketing, planejador, estrategista e tecnólogo. Eu poderia ter feito isso através deste mesmo blog, de palestras e redes com um grupo mais amplo de pessoas.

8) Apoiar o meu lado empreendedor

Em 2012, quando eu comecei a escrever neste blog, eu nunca pensei que este poderia ser um gerador de renda. Eu apenas escrevia para traduzir a minha paixão pela melhoria em algo mais tangível. Ainda hoje, eu vejo que estou longe de monetizar este canal e isso pode ter sido um erro.

[RELACIONADO] O começo e a minha missão

Até aqui tudo bem. No entanto, gostaria de criar um negócio que tivesse potencial gerador de renda significativo. Isso ajuda a compensar impostos e me deixaria mais tranquila em relação a finanças pessoas.

Executar um negócio pode ser divertido. É uma ótima maneira de servir os outros. Também é incrivelmente desafiador. Isso é o que eu estou aprendendo agora.

9) Viajar mais

Eu viajei para cerca de 17 países. Não me arrependo de fazer mais viagens internacionais, porque ainda terei muito tempo para isso. O que lamento é não aproveitar mais a exploração de cada canto onde pisei.

[RELACIONADO] 7 lições para mulheres aventureiras que desejam viajar sozinhas 

Lembro-me de que durante as minhas primeiras viagens, eu comeria nos mesmos lugares, caminharia nas mesmas trilhas e entraria em rotinas regulares. Talvez fosse para poupar dinheiro ou para minimizar os riscos. O fato é que eu perdi muitas experiências novas ao não ampliar os meus horizontes.

Conclusão

Algumas pessoas podem estar em desacordo com o que eu escrevi aqui. Elas podem dizer que tudo acontece por um motivo. Os arrependimentos não são saudáveis.

Eu não concordo, mas também não sou a dona da verdade.

É somente através do exame de nossas histórias pessoais que podemos estabelecer uma vida mais gratificante no presente e no futuro.

Esses arrependimentos são reais para mim. Eles também me ajudam a entender e definir minhas prioridades atuais na vida. Não é nenhuma surpresa que meu estilo de vida atual cuide das coisas que eu ignorei ou não me concentrei quando era mais jovem.

Eu adoraria ouvir aqueles que leram até aqui. O que é que você se arrepende de não ter feito no seu passado? Como isso dará forma à sua vida a partir de hoje?

One comment

  1. I would do it all over again… because almost all the setbacks have a great lesson to be learned. Now the only think I could probably regret today is not to having found the love of my life a little earlier. Thank you for this post!

Deixe um comentário