Comece aqui

Joinville6Oi, eu sou a Thaís, muito prazer!

Eu sou uma millennial comum. Bem, talvez, com uma história um pouco diferente, mas antes que você me pergunte já vou dizendo que eu não tenho nada de especial.

Cresci na roça, no Oeste do Estado do Paraná, Sul do Brasil. Passei os meus anos da faculdade na cidade de Joinville (SC). Viajei por cinco continentes nos últimos cinco anos. E, no momento em que eu escrevo isso, eu acabo de concluir um mestrado com linha de pesquisa em experiência de consumo, pela UNISA (University of South Africa). Hoje, eu vivo em Lima, no Peru, com o meu marido e as nossas duas filhas.

Em suma, é isso. E claro que eu não poderia deixar de mencionar qualquer coisa a mais sobre as entrelinhas da minha história. Então, vale dizer que eu comecei a trabalhar aos 13 anos de idade, depois que os meus pais se divorciaram, e desde então eu passei a tomar as minhas próprias decisões sozinha.

Eu mudei de cidade para ingressar na faculdade e acabei me formando em marketing, pouco antes de seguir em uma pós-graduação, e largar tudo para viajar pelo mundo.

Embora essa decisão de largar tudo possa ser invejável e muitos de vocês digam “Ah, esse é o meu sonho!”, eu asseguro que não foi nada fácil.

Não foi fácil porque eu viajei com o dinheiro contado. Eu mal sabia falar algumas expressões em inglês, e pouco imaginava sobre o que aconteceria quando eu pisaria os pés em terra estrangeira pela primeira vez. 

O que eu queria era me sentir livre. Livre dos horários, das metas e da pressão que o ambiente de trabalho me fez sentir por tantos anos (lembre que eu comecei a trabalhar aos 13). Mas, eu também queria exercitar a minha criatividade e “me encontrar”.

E em vez de me encontrar, eu me apaixonei. Assim como nas dezenas de vezes que eu me apaixonava desde a minha adolescência. Mas, dessa vez eu deveria ter entendido mais rápido que aquele relacionamento não tinha futuro. E não apenas porque vivíamos em dois continentes bastante distantes, mas porque aquele não era o momento certo.

E essas entrelinhas na minha história ajudaram a construir quem eu me tornei.

Eu repito que não foi nada fácil. Em tive que reconstruir a minha vida quando voltei ao meu país, tive que buscar um novo trabalho para sobreviver e buscar algum meio de estabilidade. E, quando eu finalmente me senti de volta à minha zona de conforto, eu conheci quem seria o grande amor da minha vida. Em um avião. Em uma conexão de cinco horas (de Houston a Bogotá). E, então, todos viveram felizes para sempre.

Espere um pouco. Você não acreditou nesta última frase, não é?

Ah bem, ufa! Então, seis semanas depois de encontrar o meu grande amor (em 2014), nos casamos e eu me mudei para a África do Sul, onde nove meses depois nasceria a nossa primeira filha — a Isabella.

Essa acabou tornando-se a minha filosofia de vida:

Todos passamos por desafios. Se eu aprendi a lidar com os meus desafios de alguma maneira, essa mesma maneira pode não funcionar para você. Isso é fato, mas nem por isso eu devo deixar de compartilhar o que eu aprendi, porque o aprendizado compartilhado se multiplica. Basta encontrar um meio para isso.

O meio que eu encontrei para multiplicar os meus aprendizados foi este blog. Não é a toa que a função desse blog é servir como

Um guia absoluto para millennials

Como um blog dedicado para millennials, eu falo sobre assuntos tão recorrentes na minha vida quanto na vida de qualquer outro jovem da mesma geração. Isso inclui tópicos relacionados à decisões de carreira, educação formal, formação de hábitos, maternidade, casamento, estilo de vida, minimalismo, liberdade financeira e muito mais.

Agora, você pode estar questionando-se de onde vem a minha “bagagem” para falar de todos estes assuntos. Mas, calma, é sobre isto que eu vou explicar agora mesmo.

Enquanto os meus colegas da universidade estavam tomando cerveja e comendo coxinha depois das aulas, eu ia direto para casa e aproveitava para ler no caminho. Eu lia sobre psicologia, mindfulness, inteligência emocional e neurociência. E enquanto eu estudava marketing na universidade, eu também me deparei com vários livros sobre comportamento.

Não preciso te dizer que os meus amigos deveriam me considerar a garota mais “nerd” da sala. Mas o ponto não é esse. Eu só quero te dizer que eu passei muito tempo lendo sobre todos estes tópicos que eu falo aqui no blog.

Ler sempre foi uma paixão e, de repente, eu me senti capaz de transformar essa paixão em trabalho. Eu falo do trabalho de ler para, então, escrever aqui no blog. E ainda que eu não seja empregada das 8h às 18h, e não ganhe dinheiro algum com esse blog, este trabalho me deixa feliz e realizada como nenhuma outra função que eu já exerci foi capaz de fazer.

Então, você deve estar questionando-se “mas como você sobrevive?”, “Isso não é totalmente inviável?!”

Veja, eu realmente acredito que escrever para um blog possa ser rentável. Mas, por enquanto, não é essa a minha intenção. Porque agora eu ainda posso contar com a fortuna que o meu marido faz em uma grande multinacional (Claro que isso não é verdade. Ele trabalho duro, mas – ainda – não ganha uma fortuna. A verdade é que o dinheiro que ele faz é o suficiente para sustentar o nosso estilo de vida minimalista).

Você viu? Eu tenho um sistema de apoio — inclusive financeiro — que me permite seguir escrevendo e me dedicando para este canal. E, se você acha que isso é uma perda de tempo, eu te convido para refletir sobre o tamanho da recompensa que eu sinto quando vejo que as minhas humildes experiências podem servir de inspiração para outras pessoas que querem tornar-se a melhor versão de si mesmos.

Eu confesso que daria piruetas de alegria se eu soubesse que você deseja me seguir nesta caminhada. Vem comigo?

Mas antes de partir, eu deixo o link para a minha página de contato. Por meio, desta página, você pode fazer qualquer pergunta ou crítica pessoal. Eu posso não responder imediatamente, mas eu prometo que leio e respondo tudo.

Um grande abraço e nos vemos por aqui!

Thaís Brülinger

6 comments

  1. Bom Thaís, bom ler o seu convite ao seu canto… Foi a primeira vez que li algo sobre o estilo de vida minimalista (desculpe minha ignoräncia). Adorei seu site. Parabéns pela escrita. Abrs.

    1. Olá Ronaldo,

      Que bom ter você por aqui! Eu também sabia pouco sobre “minimalismo”, embora tenha vivido esse estilo de vida por muito tempo desde a minha infância. Em suma, trata-se de levar uma vida mais simples, dando ênfase para o que mais importa. De fato, fez toda a diferença para mim reconhecer esse conceito e aplicar em vários aspectos da minha vida. Veja como eu fiz isso aqui: https://thaisbrulinger.com/6-passos-faceis-para-tornar-a-sua-vida-mais-simples/ e seja bem-vindo para explorar o meu blog!

      Abraços,
      Thaís

      P.S: Encontrei o seu nome em seu próprio blog, que acabo de seguir. Parabéns pelo trabalho!

Deixe um comentário