Mais simplicidade

Como economizar dinheiro vivendo em uma cidade com alto custo de vida

Quando eu, meu marido e a nossa pequena filha nos mudamos para Lima, eu fiquei um tanto assustada com os preços de tudo por aqui. Ainda que essa não seja uma das cidades mais caras do mundo, é comum pagar o equivalente a U$ 10 (dólares americanos) para um quilo de morangos, U$ 30 para um corte de cabelo feminino, ou até U$ 7.000 para o metro quadrado de um imóvel em uma zona bem localizada.

Talvez, eu tenha me assustado inicialmente com estes preços porque eu costumava comparar tudo com o baixo custo de vida em Joinville, a cidade no Sul do Brasil onde eu vivi por mais de dez anos. Em Joinville, eu poderia viver tranquilamente com uma pequena fração do meu salário.

Claro, o meu estilo de vida mudou drasticamente depois do casamento e da maternidade, mas ainda acredito que se pode economizar dinheiro ao viver em uma cidade mais cara.

Aqui estão algumas dicas:

Comece fazendo um orçamento

O que está funcionando para a minha família é descobrir como costumamos gastar o nosso dinheiro e definir o que poderia ser cortado destes gastos em prol da economia para o que mais valorizamos.

Se, por exemplo, planejamos sair para jantar mais vezes em determinado mês, podemos diminuir os gastos com itens pessoais, como roupas ou utilitários para a casa.

Para ter esse controle, utilizamos o aplicativo “Expenses OK“, que nos permite definir categorias para os nossos gastos e contabilizar o resultado sempre que queremos. Com esse aplicativo, sabemos exatamente no que estamos gastando, e isso é ótimo.

[RELACIONADO] Se você acha que está gastando demais, evite estas armadilhas diárias

Compre online ou onde ofereça descontos

Eu ainda costumo fazer as compras de supermercado presencialmente porque prefiro escolher cada item com as minhas próprias mãos. Mas, eu reconheço que estaria poupando algum dinheiro ao comprar online ou em mercados locais.

Pode ser mais divertido comprar pessoalmente, mas as lojas online costumam oferecer descontos e você pode ser menos propenso a tomar decisões de compras impulsivas.

Faça piquenique nos espaços públicos da cidade

Uma das minhas experiências favoritas — e mais baratas de se fazer em uma grande cidade — é sentar em uma manta na grama, levando tudo — água fresca, saladas, sanduíches, frutas da estação, etc.

Meus locais favoritos para fazer isso em Lima são o Bosque el Olivar e o Malecon de Miraflores, que estão próximos da minha casa.

Pratique atividade física ao ar livre

As academias de ginástica podem ser ridiculamente caras em algumas cidades.

Em Joanesburgo, eu experimentei uma inscrição mensal em uma academia por um curto período de tempo e logo descobri que eu poderia fazer o mesmo exercício na sala da minha casa ou, melhor ainda, em um parque ao ar livre. A diferença?

Eu apenas eliminei gastos.

Caminhe e participe de atividades gratuitas

Meu marido, nossa filha e eu passamos muito tempo caminhando. Isso nos ajuda a nos manter ativos, encontrar pessoas e conhecer melhor a nossa cidade.

Andar não custa nada, e isso nos dá tempo para conversar também. Aliás, algumas das nossas melhores conversas ocorrem durante as nossas caminhadas.

Também mantemos uma lista de atividades gratuitas favoritas e ficamos atentos aos próximos eventos gratuitos, adicionando-os ao nosso calendário compartilhado no Google. Com esse calendário, somos menos propensos a gastar demais.

O meu melhor conselho a respeito disto seria comer antes de sair de casa (ou levar comida), mapear para onde você está indo antes de sair, tentar visitar novos lugares com a maior frequência possível e atender as feiras de rua que você puder.

Quando possível, opte pelo transporte público

É muito mais agradável entrar em um táxi, mas tomar transporte público irá poupar-lhe algum dinheiro. Essa opção exige apenas um pouco mais de planejamento.

O mesmo vale para manter um carro. Seguro, manutenção, gás — tudo custa dinheiro.

Eu e meu marido passamos os dois primeiros anos em Lima sem carro — mas, agora, com uma filha de dois anos e uma recém nascida a caminho reconhecemos que seria necessário e decidimos comprar um.

Viva em um lugar que você pode pagar

Só porque você pode pagar por aquele apartamento bonito e bem localizado não significa que você deva fazer isso.

Eu também não recomendo viver em uma área perigosa ou em um buraco apenas para economizar dinheiro. Mas, para poupar dinheiro do seu orçamento, você tem opções.

O meu melhor conselho é considerar as suas prioridades ao decidir sobre onde viver. O que é mais importante para você? É o tamanho do ambiente? É poupar o tempo no trânsito?

Para mim, a prioridade sempre era a vizinhança, então fiz sacrifícios em outros aspectos.

Esteja preparado para mudar de moradia

Parece insano, mas a maioria dos proprietários aumenta o valor do aluguel a cada ano.

Antes de levar isso em conta e começar a fazer uma mudança, é importante considerar também o tempo necessário para isso, e como a mudança pode afetá-lo emocionalmente.

Também é crucial pesar os custos de mudança em relação ao aumento anual do aluguel. Só então tome a sua decisão.

Não compre bons móveis antes de comprar a sua casa

Não vale a pena investir em móveis caros porque você ficará devastado quando ver os danos durante uma mudança.

Provavelmente, você acabará pagando por reparos e substituições.

Antes de ter uma moradia permanente, compre móveis em lojas de segunda mão e busque inspiração no Pinterest, catálogos ou blogs, para remodelar os móveis usados conforme o seu gosto e o seu orçamento.

Cancele TV a cabo, Netflix, etc

Vamos lá. Você não precisa disso. Melhor, você será mais produtivo sem isso. A internet já é o suficiente.

Eu e meu marido adoramos a Apple TV, pois não requer uma taxa de assinatura. Isso nos permite espelhar o que há em nossos iPhones e iMac, e nos proporciona acesso fácil a filmes e programas de televisão.

Compartilhe bons momentos com amigos em casa

Não estou dizendo que você nunca deva experimentar a vida noturna da cidade, ou sair para jantar com seus amigos.

No entanto, um churrasco que poderia custar mais de R$ 100 por pessoa em um restaurante, pode ser feito com uma fração deste valor em casa.

Não tenha medo de dizer “não” ao que você não pode pagar

Adoro receber amigos e familiares em casa, mas as despesas podem somar!

Não estou falando apenas das refeições e maiores gastos com utilidades (água, eletricidade), mas dos passeios, saídas a restaurantes, entradas em museus e tudo o mais que eles queiram conhecer.

Eventualmente, percebemos que não devemos nos sentir culpados por dizer aos nossos hóspedes que eles poderiam desfrutar sozinhos de algumas experiências mais caras.

Saiba mais sobre promoções de bares e restaurantes

O seu restaurante favorito pode ter uma ótima oferta de hambúrgueres na segunda-feira, por exemplo, ou de bebidas com desconto nas noites de quarta-feira.

Eu e meu marido aproveitamos os descontos em restaurantes oferecidos pelo banco onde mantemos uma conta ativa.

Leve o seu café de casa

Se você aprecia um bom café, essa pode parecer uma pequena despesa, mas ela acrescenta-se ao longo do tempo.

Invista em uma máquina de café e em um copo térmico reutilizável para levar com você para onde quer que você vá.

Invista em roupas duráveis, não em tendências

Sou adepta à qualidade versus quantidade. Procuro comprar roupas que vou usar várias vezes e que combinem com o resto das minhas vestimentas.

Quando eu me apaixono por um artigo que é tendência, eu até considero vender outra peça (que esteja em bom estado) para compensar o custo. Isso me leva à próxima dica:

Venda as suas coisas

Provavelmente essa é a minha dica favorita.

Mobiliário, tecnologia, roupas — tudo pode ser vendido. Basta reservar um domingo por mês para fazer algumas fotos dos itens que você deseja vender, publicar online e ter paciência.

Pode demorar, mas vale a pena.

 

Aprenda com as suas experiências do passado

Viver em Joinville fazia sentido para mim antes dos meus 20 anos de idade. Embora o potencial de ganho em um trabalho assalariado parecia baixo naquela época, eu sabia que estaria perto da minha família e não trocaria isso por nada.

Eu também aprendi a viver com pouco dinheiro por um longo período de tempo, enquanto eu vivi em outras cidades ao redor do mundo fazendo intercâmbios (Trento, Chennai, Bursa). Eu também não trocaria isso por nada.

No entanto, eu fiz uma promessa a mim mesma de que, se eu ainda estivesse lutando financeiramente até os 25 anos, eu faria uma mudança. Mesmo antes disso, eu me casei e acabei me mudando para Joanesburgo, na África do Sul, onde vivi com o meu marido por apenas um ano antes de nos mudar à Lima.

A mudança foi difícil, porque eu gostei muito do meu último destino, mas essa decisão foi crucial para, finalmente, passar a investir no meu futuro financeiro.

[RELACIONADO] O que eu aprendi com os erros do meu passado e o que você pode aprender com os seus.

Quais dicas você usa para economizar em uma cidade com alto custo de vida? Deixe suas recomendações nos comentários abaixo!

Deixe um comentário