Mais vida familiar

Por que é tão difícil quando um cônjuge viaja a trabalho

Eu tenho uma confissão pra fazer aqui — é extremamente difícil quando o meu marido não está em casa. Eu não estou falando sobre o tempo que ele passa no escritório, quando está fora comprando ferramentas para consertar a pia do banheiro, ou quando estiver envolvido em qualquer tarefa breve antes que ele volte para casa. Eu falo de quando ele está ausente por, pelo menos, mais de uma semana enquanto viaja a trabalho.

Quer dizer que eu não sou capaz de lidar com a falta dele?

Ao contrário, eu sou capaz. Eu sou realmente forte e independente, mas eu ainda sinto como se o meu braço direito acaba de ser amputado quando ele se vai. Desculpe, eu não te avisei para preparar os lenços para tanto melodrama.

O fato é que o meu marido é o meu apoio e, quando ele passa uma semana ou mais longe de casa, eu sinto como se os desafios de cuidar das nossas duas pequenas filhas sozinha em casa são potencializados.

Como ele trabalha em uma empresa multinacional e cursa um programa de mestrado fora do país, as viagens se tornam mais rotineiras do que eu gostaria que fossem e, embora seja algo que experimentamos de forma regular, isso não torna o desafio mais fácil para lidar.

Por que o apoio do meu marido em casa é fundamental?

Embora eu possa assumir a liderança na gestão da nossa família e o meu papel não se desvie muito enquanto ele está ausente, a ausência dele é sentida de forma mais forte em um nível emocional — isso é o que é mais difícil para gerenciar.

Ainda que eu me considere uma ótima gestora da nossa agenda familiar, uma boa planejadora de atividades e de tudo o que é preciso para manter a rotina da minha família funcionando, eu não poderia fazer nada disso sozinha.

Enquanto eu me considero expert na realização de diferentes atividades, muitas vezes simultaneamente, nós dois desempenhamos um bom trabalho em equipe.

Ele é melhor em pagar as contas ou em entretener as crianças enquanto eu cozinho, tanto quanto ele é o melhor em fazer concertos ao redor da casa e cuidar de qualquer outra coisa da lista de tarefas atribuídas a ele.

Quando ele está em casa apenas me resta cozinhar, limpar, preparar a mesa e lavar a louça, lavar e passar as roupas, fazer as compras no supermercado, amamentar, levar e buscar a minha filha mais velha para diferentes atividades fora de casa, para citar algumas tarefas.

Ele me ajuda a trocar as fraldas, dar banhos e brincar com as nossas filhas, enquanto eu me certifico de que não ficaremos sem jantar no final do dia ou sem fraldas no estoque.

[RELACIONADO] 6 maneiras em que a vida de casados é diferente do que nos dizem que seria

Esta lista não é nada definitiva e também não quer dizer que não temos tempo e espaço para desfrutar como indivíduos

Photo by Kinga Cichewicz on Unsplash

Como eu disse, eu e meu marido assumimos a liderança em certas tarefas, porque é melhor se eu não tentar consertar a máquina de lavar ou pendurar qualquer coisa nas paredes, assim como nós dois não queremos ficar sem creme dental ou papel higiênico nos banheiros.

As responsabilidades em nossas casa não estão lapidadas em pedras, nem se dividem igualmente, porque a gestão de uma família não funciona dessa maneira.

O que funciona para nós é saber que podemos contar um com o outro para que tudo esteja bem. Para isso, vale considerar que também precisamos de um certo espaço para manter os interesses de cada um.

Eu uso o meu tempo para escrever aqui no blog, por exemplo, enquanto ele desfruta de uma corrida nos sábados pela manhã.

Faz diferença ter alguém para contar em todos os momentos

Se eu estiver atrasada, ele pode buscar a nossa filha de alguma atividade. Se uma das nossas filhas tem uma consulta rotineira no pediatra, e eu não posso acompanhá-la, ele pode fazer isso.

Enquanto o meu marido faz tudo isso, sem ele, eu carrego o fardo de fazer tudo por todos, esticando-me mais do que nunca e meu próprio autocuidado torna-se raro ou inexistente.

A opção de ter os meus próprios familiares nas proximidades para me apoiar não é um luxo que eu possuo. Tudo bem, eu tenho os meus familiares disponíveis pela minha tela no celular, mas não é o mesmo que poder contar com apoio real. Então, eu me sinto só.

Eu sou a última linha de defesa e isso me assusta mais do que qualquer coisa. Se eu falhar, eu posso estar colocando em ameaça a integridade das minhas filhas.

Enquanto o meu marido não está comigo, eu sou o única fornecedora de conforto, segurança e cuidado para elas. Essa é uma enorme responsabilidade e um peso que eu tenho que transportar.

E se eu ficar trancada fora da casa? Pior do que isso, e se alguém invadir a nossa casa e eu estiver sozinha com as crianças?

Há tantos questionamentos na minha mente que eu não teria se o meu marido permanecesse em casa. Eu nem percebo o quanto a presença dele me deixa à vontade até que ele tenha ido e me deixado mergulhada em ansiedade mais uma vez.

[RELACIONADO] Como fica o casamento depois da maternidade

O tamanho da minha força ainda me surpreende às vezes

Photo by Ben Blennerhassett on Unsplash

Apesar de todas as minhas inseguranças, eu ainda acredito que sou mais do que capaz de cuidar sozinha de mim e das minhas filhas, como eu já fiz muitas vezes.

Estou absorvendo todos os medos, ansiedades, frustrações e todas as outras emoções, apenas para fornecer conforto, segurança e amor que as minhas filhas precisam.

Como elas são tão pequeninas, incapazes de compreender completamente a ausência do pai, o meu coração sofre a cada vez que elas choram sentindo a falta dele, sem realmente compreenderem a situação.

Nesses momentos, é preciso toda a minha energia para não colapsar ao lado delas. Elas sentem falta dele. Eu também sinto. E, no final do dia, quando as crianças estão adormecidas, não posso deixar de me sentir dominada pela solidão.

Embora o peso nos meus ombros seja tremendo, eu estou certa de que tudo isso é temporário. Enquanto isso, eu ainda posso afogar as minhas tristezas com todos aqueles brownies que eu havia preparado para compartilhar em família.

Eu faço o que eu puder para me tranquilizar, consolar-me e certificar-me de que as minhas filhas se sintam amadas, seguras e protegidas até que o seu pai volte para casa e a nossa família esteja completa outra vez.

Como você lida com a distância de um parceiro? Suas experiências serão bem-vindas nos comentários abaixo.

Deixe um comentário